2007-03-28

Mudança da Fontaínha gera polémica

A Junta de Freguesia de Alpedrinha decidiu deslocar a Fontaínha alguns metros mais para cima.
Como diz o site da própria Junta de Freguesia, esta fonte "situa-se um pouco escondida. A água vinha por baixo das casas e caía por uma bica de pedra com cano de ferro num pequeno tanque. Era pouco abundante mas era boa.
Em 1927 a Junta de Freguesia mandou fazer um outro pequeno tanque, com lavadouros e o tanque antigo desapareceu. A água da actual fontaínha é imprópria para consumo e apenas serve para o povo lá ir lavar."

Como facilmente se depreende, actualmente, a utilização daquela fonte é apenas e só para lavagem de roupa por parte de pessoas mais idosas.

A dificuldade que as mesmas sentiam ao lavar naquele tanque, uma vez que este se encontrava ao nível do solo, está na base da justificação desta alteração por parte da Junta de Freguesia. Além das melhorias ao nível da utilização daquele tanque pelos seus utentes, a Junta de Freguesia garante que houve sempre a preocupação, ao mudar de sítio, colocar a Fontaínha exactamente na mesma posição onde se encontrava antes. Nenhuma alteração à forma inicial da Fontaínha será feita.

No entanto, esta obra não é passifica e alguns alpetrinienses já manifestaram o seu repúdio por esta alteração. São públicas as declarações de populares que, de um lado e de outro, se manifestaram aquando da visita ao local da equipa de reportagem da SIC. Se algumas pessoas invocaram a melhor funcionalidade do tanque, outras lamentaram que a Junta de Freguesia tivesse tocado numa fonte que há muitos anos ali se encontrava.

Esta temática levou a que se descobrisse, um pouco mais, a história da própria Fontaínha. Populares de mais idade confirmam que a localização actual da Fontaínha, era a original e que foi mudada um pouco mais para baixo, tendo nessa altura sido construído o tanque.

Esta alteração foi alvo de denúncias às entidades competentes, nomeadamente à Câmara Municipal e ao IPPAR. Por via destas queixas a obra encontra-se parada.

Independentemente de quem terá ou não razão, as mais prejudicadas neste processo acabam por ser as pessoas que utilizavam o tanque da Fontaínha para lavar a roupa, uma vez que são pessoas de certa idade e que, enquanto não se resolve este caso, terão de ir lavar ao tanque situado perto do Chafariz D. João V. Este facto obriga a uma subida acentuada, sendo de enorme dificuldade para estas pessoas.



Foto: FJP

5 comentários:

Daniel Valente disse...

Caro Amigo,
Existem situações às quais não podemos ficar indiferentes, e este caso é a confirmação da regra.
Eu sou CONTRA a mudança sem oscultação do POVO de Alpedrinha, pois a JFA deve entender que tal Fonte/Tanque pertence-nos a todos.
Mesmo que o usemos habitualmente, não nos dá o direito de nos apropriarmos dele, certo?

Sei que és coerente, achas que o tanque ficou melhor?

Tal como já te referi diversas vezes, porque a JFA não faz umas sessões de esclarecimento ABERTAS sobre assuntos de interesse publico? (Nomeadamente, Ringue, Touca, Picadeiro, etc...)

Abraço Amigo,
Daniel Valente

sobrinho disse...

Apenas hoje tive oportunidade de comentar aqui no teu blog e reforçar o que ja tinha comentado contigo, mas parece-me que esta situação não passa pelo facto de se mudar a fonte ou deixar estar no mesmo sitio, a questão é o facto das pessoas tomarem este tipo de atitudes de animo-leve e demonstrarem falta de conhecimento, creio que todos sabemos que Alpedrinha tem uma zona de protecção bem delimitada!?
Essa é a questão que preocupa as pessoas que estão contra, ja que as que querem lavar a roupa não devem dispor deste tipo de informação. Este tipo de actos tem como é obvio consequências que não abonam a favor da terra, principalmente aos olhos do IPPAR.
Claro que estou em concordância com o Daniel...Um abraço pa ti tio

joao baltazar disse...

Boas Fernando:
É com muito gosto que vejo esta polémica aqui debatida no teu blog, estranhando a apenas a demora da tua postagem. A minha posição sobre este assunto é sobejamente conhecida já que fui um dos populares que deu a cara as câmaras da SIC, para quem não viu ou não sabe sou totalmente CONTRA esta obra, e porquê? Por todas as razoes e mais alguma, não pode ser uma J.F. a mandar num património que nem sequer lhe pertence, alias o sr. Presidente foi o primeiro a assumir o erro, não vale a pena argumentarmos mais nada contra, se o “mandante” da obra já assumiu o erro…… outra coisa é dizerem que a Fontainha vai ficar exactamente como estava antes, como??!! se as pedras nem sequer foram numeradas e foram retiradas com retroescavadora e que algumas das principais se partiram? (nisto nem tu acreditas) para já não falar que em Alpedrinha ninguém sabia de nada, esta obra foi feita as “escondidas” agora queixam-se que têm de ir ao Chafariz D. João V!!!Culpa do de quem decidiu começar uma obra que era e é ilegal, perguntassem primeiro a quem de direito, fizessem (como assumiu o sr. Presidente que deveriam ter feito) um projecto, agora queixem-se ao totta.
Só mais um reparo, as Senhoras não precisam de subir essa subida tão íngreme do Chafariz D. João V para lavar a roupa, se não conhecem Alpedrinha, é tão grande, eu digo um tanque de onde podem lavar a roupa muito mais perto: no Bairro do Maganil existe lá um tanque de lavadeiras, sempre é mais perto e é a descer.
Já agora Fernando, tu es um membro efectivo da nossa assembleia de freguesia, tu ou algum teu colega, sabiam desta obra?? Abraço.

Francisco Ferreira disse...

Boa tarde.
Antes demais gostava que reveles a toda a comunidade se é verdade como dizem alguns elementos da assembleia de freguesia não terem sido informados da realização desta obra e a ser verdade isto porque é que foi realizada à revelia primeiro dos membros da Junta de Freguesia e depois e mais importante ,e tu como pessoa informada porque não foi primeiro discutida em assembleia de freguesia.
Pois se para a identificação de elementos arquitectónicos da nossa freguesia, para o regulamento de transito( que até foram criadas comissões para o efeito) e até outras coisas de sumência importância são discutidas em Assembleia de freguesia porque é que um assunto como este não foi primeiro objecto de apreciação pela nossa comunidade e também das entidades responsáveis ,já que como alguém diz e com razão, a Fontainha e todos os monumentos de Alpedrinha não são só dos alpetrinienses são de todos os habitantes desta aldeia global .Portanto com que intenção se muda e se alteram monumentos que como se pode ver sem argumentos plausiveis já que argumentos de faltas de máquinas de lavar e de corcundas não me parece que seja um argumento de peso já que durante oitenta anos nunca alterou o quotidiano das nossas populações, porque senão qualquer dia lembram-se de mudar e alterar o Chafariz D. João V porque não se consegue subir às bicas para se beber a tão boa água que de lá brota.
O tempo que andam atrapalhados com máquinas e trabalhadores para mudarem essa fonte de sitio porque não os utilizam para limpeza e revitalização das outras tão ou mais bonitas e uteis FONTES e MONUMENTOS de Alpedrinha.
Como diria o "poeta" Valores mais altos se levantam.

Fernando Pires disse...

Em primeiro lugar queria pedir desculpas aos leitores deste blogue, pelo facto de não serem feitas postagens com a frequência que os mesmos gostariam. Este blogue é actualizado à medida das minhas possibilidades de tempo disponível para o efeito e, como devem calcular, não o tenho em demasia. Queria dizer também que não ando a reboque de nenhuma instituição ou outro meio qualquer de divulgação de Alpedrinha para postar. Não o faço a pedido ou à pressão de quem quer que seja.
Quanto ao objectivo do Alpedrinh@news, recordo a primeira postagem do mesmo onde digo que este visa “a divulgação de Alpedrinha no mundo”[…] “neste blogue são publicadas notícias acerca do passado, presente e futuro de Alpedrinha, abordando vários domínios.” Para quem ainda tem dúvidas, voltei a dizer, um ando depois da sua criação que “O blogue Alpedrinh@news foi criado no dia 5 de Janeiro de 2006. A sua função é, e sempre foi, informar os alpetrinienses, principalmente aqueles que se encontram longe da terra, dando-lhes acesso às notícias e acontecimentos relevantes que, por um motivo ou outro, marcam a vida da nossa Sintra da Beira.”
Ora, o carácter meramente informativo, não traduz aquilo que poderá ser a minha opinião pessoal. Limito-me a fazer um texto simples, publicando o que se passa, ou passou, e não o que penso.
Quanto aos comentários aqui publicados, devo dizer que é com muito agrado que os recebo. Só tenho pena que surjam apenas quando algo de polémico acontece. Tenho pena que assim seja, porque várias postagens publicadas sobre algo de bom que acontece não têm merecido igual tratamento da vossa parte.
Quanto à problemática que aqui se levanta, decidi responder a todos na Assembleia de Freguesia. Como todos os que aqui comentaram estiveram presentes na mesma, ficaram a conhecer a minha posição acerca desta matéria. No entanto, para que não restem dúvidas, continuo muito preocupado com aquela obra. Não no sentido fundamentalista da decisão se a Fontaínha fica ou não onde se encontra, mas sim como é que vai ficar o Largo na sua globalidade. Espero sinceramente que o Largo fique melhor do que estava, independentemente da localização final da Fontaínha, que poderá até ser a mesma onde se encontrava à 80 anos.
Por último devo agradecer a todos os que comentaram sobre esta temática neste blogue, uma vez que tiveram a coragem de assinar o que escreveram e dar a cara, procedimento não muito habitual nos tempos que correm. Ficam os vossos comentários como prova de que, neste blogue, a moderação de comentários é feita, única e exclusivamente por motivos de identidade de quem comenta e não pelo teor dos comentários ou sensura.