2006-10-30

HOMENAGEM AO CARDEAL DE ALPEDRINHA

O início das celebrações do VI centenário do nascimento e falecimento do Cardeal D. Jorge da Costa já tem data marcada. Será no próximo dia 23 de Novembro, na Igreja da Misericórdia de Alpedrinha, que decorrerá a Cerimónia de Homenagem ao Cardeal D. Jorge da Costa. Espera-se que estejam representadas altas figuras da Igreja Católica, do Vaticano, do Estado Português e da União das Misericórdias.

Recorde-se que o Cardeal de Alpedrinha, D. Jorge da Costa, nasceu em Alpedrinha no ano de 1406, filho de Martim Vaz e Catarina Gonçalves.
Estudou em Paris e foi prelado em várias dioceses: Bispo de Évora em 1463, Arcebispo de Lisboa, em 1464 e Arcebispo de Braga, em 1501.
Foi feito Cardeal pelo Papa Xisto IV, em 18 de Dezembro de 1476, com o título dos Santos Pedro e Marcelino.
Foi Cardeal de Portugal em Roma, durante o pontificado de quatro Papas (Inocêncio VIII, Xisto IV, Alexandre VI e Júlio II); tendo contudo no conclave a seguir a Alexandre VI sido D. Jorge da Costa o escolhido para Papa. Renunciou ao cargo, vindo a eleger-se em nova votação Júlio II, que no momento da “obediência”, dispensou D. Jorge da Costa de se ajoelhar, para o fazer subir os degraus do trono, para, com um beijo na fronte e um abraço de reconhecido apreço, lhe dizer: “Se estou neste lugar, a ti o devo. Eu serei o Papa de direito. Mas tu serás o Papa de facto”.
Recorde-se que foi quem representou Portugal na assinatura do histórico Tratado de Tordesilhas onde ficou conhecido como Cardeal de Portugal, e mereceu que Nuno Gonçalves lhe desse um lugar de relevo entre as figuras históricas de “Painel de S. Vicente” onde é referido como o Arcebispo.
Dotado de invulgares qualidades, foi diplomata, e teve o maior valimento junto de D. Afonso V, de quem foi conselheiro e confessor, tendo sido também mestre-capelão da sua irmã, a infanta D. Catarina.
Devido a incompatibilidades com o rei D. João II, foi viver para Roma em 1483, onde acabou por passar grande parte da sua vida, governando a partir da Cúria Romana a diocese.
Por onde passou deixou marcas da sua personalidade.
Deve-se a D. Jorge da Costa a criação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com todo o apoio que deu à Rainha D. Leonor, tendo, para o efeito, movido influências em Roma para que a nova instituição surgida em Portugal tivesse o reconhecimento do Papa. Em Évora, enquanto bispo daquela diocese, consagrou o Mosteiro de Santa Clara. Foi também o Cardeal, que, a pedido da Rainha D. Leonor, facilitou a elaboração dos estatutos do Hospital das Caldas.
D. Jorge da Costa, célebre Cardeal de Alpedrinha, morreu exilado em Roma, em 19 de Setembro de 1509, por contrariar a política centralista imposta à nobreza pelo rei D. João II.
Merece, pois, D. Jorge ser evocado e ver perpetuada a sua memória, não só no País e na Igreja que serviu, como sobretudo na sua terra natal que tanto se honra com a sua lembrança.

Fontes:Wikipédia e Agência Ecclésia.

2 comentários:

O Castanheiro disse...

Caro conterrâneo:
É com imenso agrado que venho dar testemunho pela qualidade informativa e tecnológica como o blogue do Amigo é apresentado, pelo facto, os meus parabéns. Entretanto já tinha destacado o trabalho do Amigo em 16 de Agosto, se chamar "castanhasdagardunha.blogspot.com", não leve a mal o patinho como prémio, mas era de momento o melhor que arranjei, além disso, não sei trabalhar com tags de HTML. Em conversa com pessoa entendida, enquanto eu referia um blogue chamado "4.ª República" em que eu lamentava que a linguagem era difícil, entretanto a pessoa com quem eu dialogava, lembrou-me "alpedrinhanews" que gostava imenso como informativo, muitos alpetrinienses ficariam admirados se soubessem quem pronunciou tais palavras, ao ouvir isto pensei para comigo: "Afinal sinto-me normal". Existe muita parvoíce na nossa Alpedrinha que não leva a nada.
Fizeram reparo que não tem muitos comentários porque não é polémico, eu afirmo que o leio muitas vezes e só hoje comento, ainda por cima é para elogiar. Não se deixe influenciar, as fontes que utiliza em determinadas notícias são sérias, e o Amigo tem jeito para o blogue. Força

Fernando Jorge Pires disse...

Caro "O Castanheiro":
Em primeiro lugar, quero agradecer o prémio que com o qual me contemplou e as palavras que me dirigiu neste seu comentário. Em segundo lugar, queria dizer-lhe que este blogue tem como único objectivo informar. Informar quem está longe de Alpedrinha e também quem por cá faz questão de viver e aqui vem beber algumas novidades e alertar para uma ou outra situação. É um espaço aberto a todos com uma caracteristica verdadeiramente positivista da questão. Daí que sujeria que comentasse assinando com o próprio nome. Tendo como pano de fundo a Vila de Alpedrinha, acho que tudo deve ser dito de forma responsável. Agradeço o seu comentário e espero que volte a comentar devidamente identificado.